Rapa Nui – Ilha de Páscoa


28 mai 2019 às 13h35


Rapa Nui (Ilha Grande), ou Ilha de Páscoa, está a cerca de 3.500 quilômetros de Santiago, no meio do Oceano Pacífico.
A ilha mais próxima, Pitcairn, que pertence à Inglaterra, está a cerca de 2.500 quilômetros.
Junto com Tonga, Haway, Fiji, Samoa, Salomão, Marquesas, Nova Zelândia e muitas outras, faz parte da Polinésia.
Rapa Nui é a ilha mais a leste, e mais próxima das Américas.
Foi formada há 35 milhões de anos, e conta com 28 vulcões, o maior deles o Rano Kau, todos extintos e silenciosos.
A única cidade é Hanga Roa, à beira-mar, onde estão os órgãos públicos, escolas, igrejas, hóteis, lojas, restaurantes e todas as instalações de uma pequena cidade.
Rodeada de pedras provenientes de petrificação de lavas, não tem nenhum curso de água natural. A única pequena praia, com alguns coqueiros, é Anakena.

A cerca de 1.000 metros está a mística e pequena Ilha do Homem Pássaro.

Rapa Nui é também o nome do povo e da língua.
Pelos estudos genéticos, cultura, costumes e língua, os primeiros habitantes vieram das Ilhas Marquesas em busca de uma terra nova.

Ilha de Páscoa conta hoje com 10 mil habitantes, sendo 4 mil descendestes diretos dos rapanuis.

Hanga Roa – Piscinas no mar

HISTÓRIA DOS RAPA NUI

Estudos genéticos constataram que as ilhas da Polinésia foram povoadas por pessoas provenientes de onde é hoje Taiwan.
Estes povos, navegadores por excelência, utilizando rústicas embarcações foram povoando, todas as ilhas, através dos tempos, em sequência.

A busca por uma nova ilha a ser povoada passava muitas vezes por conquistas, disputas políticas ou dissidências entre as famílias, chamadas de clãs, cuja solução era encontrar um lugar desabitado onde pudessem iniciar uma nova história de vida.

Utilizavam estrelas e constelações para navegar e muitas vezes uma concentração de nuvens significava uma nova ilha.

Segundo a lenda, Hau Maka, profeta e conselheiro do Rei Hotu Matua, teve um sonho da existência de uma ilha desabitada, ao leste, que poderia ser uma nova terra para o Rei.
Ele ordenou então que sete homens fossem explorar e tentar encontrar a ilha do sonho.
Eles voltaram e confirmaram a existência de uma ilha, que correspondia ao sonho do profeta.

Por volta de 300 d.C., o rei Hotu Matua e sua irmã Avareipua, junto com algumas dezenas de polinésios, desembarcaram na praia de Anakena.

O rei dividiu a ilha em duas partes, metade para si e seus descendentes e outra metade para sua irmã, formando dois clãs dominantes.
O rei reservou alguns lugares para uso comum, e para as cerimonias religiosas.

O primeiro nome da ilha foi Mata ki tenagi – Com os olhos para o céu, depois chamaram de Ahu te Pito Kura – Umbigo do Mundo, e por fim Rapa Nui – Ilha Grande.

Por volta do século 18, passadas várias gerações, a ilha estava subdividida em 16 clãs, descendentes de Hotu Matua e sua irmã Avareipua.

Não eram agricultores e o sustento vinha principalmente do mar. Eram exímios navegadores e pescadores. Ainda hoje o esporte preferido é a canoagem.

O Deus principal era Maque Maque, representado por uma espécie de máscara religiosa.

 

Mapa da Polinésia

OS MOAIS

Eram grandes figuras esculpidas em pedra, colocadas uma ao lado das outras de costas para o mar. Cada clã, ou família esculpia seu próprio Moai e à sua volta eram enterrados, os líderes e seus descendentes, uma espécie de tumba familiar.
Estavam sempre de costas para o mar, virados para o interior da ilha, para que seus espíritos pudessem proteger seus descendentes.

A fábrica de Moais era na encosta de um dos vulcões. Ainda estão lá Moais não terminados e outros espalhados pelo chão, que nunca foram levados para a beira do mar.

Durante uma guerra entre as clãs, vários Moais foram profanados e derrubados, restando alguns poucos ainda em pé.
Estão neste momento restaurando e recuperando os danificados.

MOAI VIAJANTE – Este moai há alguns anos circulou por vários países com o objetivo de captar recursos para preservação da cultura rapanui. Hoje há um fundo financeiro, em que participam países e associações ligadas a preservação cultural proporcionando a restauração de vários grupos de moais.

Moai Viajante

MOAI COM OLHOS – Originariamente os moais possuíam olhos, que foram sendo desgastados pelo tempo. Este é um dos poucos moais com olhos, e está localizado em Hanga Roa, à beira mar, no sitio chamado Ahu Tahai.

Moai com Olhos

EL AMIGO ROBADO – Este moai foi levado pelos Ingleses e está no British Museum de Londres. Os rapanuis tem buscado a devolução, mas sem sucesso.

El Amigo Robado

    

Fábrica de moais – Moais abandonados

A HISTÓRIA DO Tangata Manu - HOMEM PÁSSARO


Todos os anos, bandos de uma pequena espécie de gaivota, sooty tern, em migração, pousavam na pequena ilha Motu Nui, onde botavam seus ovos, e ficavam um tempo até que os filhotes pudessem voar.
Estas aves voavam entre as ilhas da Polinésia e percorriam 16.000 quilômetros sem pousar.

Os rapanuis acreditavam que era o Deus Maque Maque, retornando à ilha, em forma de uma ave marinha, a manutara – a ave da sorte.

A comunidade dos rapanuis era dividida entre 16 clãs. O controle da ordem e a manutenção da cultura e das tradições eram exercidos pelo Conselho de Anciães, com um representante de cada clã.
Para determinarem quem seria o líder do Conselho e do controle das distribuições dos recursos materiais no próximo ano, foi criada a competição do Homem Pássaro.

Na competição, cada clã escolhia seu melhor competidor para representá-la e buscar o poder para seu líder.
Os competidores eram preparados desde a infância. Meninos que já mostravam habilidades eram treinados e preparados para quando chegassem na adolescência pudessem representar e trazer a vitória para seu clã.

Um mês antes da chegada das aves na ilhota, os 16 competidores e seus representantes iam para o Sítio Religioso de Orongo, onde ficavam concentrados, treinando, aguardando a largada da prova.
Neste período de espera cantavam, dançavam e celebravam o Deus Maque-Maque.

Para proteger e dar segurança aos competidores, dormiam em pequenas casas de pedras, sem janelas, com uma única entrada pequena, ao rés do chão, onde só se podia entrar rastejando.
Durante todo este tempo, todas as atenções estavam concentradas na competição do Homem Pássaro.

Sentinelas eram colocados nos penhascos para observarem no horizonte a chegadas das aves.
Quando chegavam, já tinham uma ideia de quanto tempo levaria para começarem a botar os ovos.

Casas de pedras – Ilha do Homem Pássaro – A Manutara

No dia marcado, os 16 competidores eram levados até a beira do penhasco.
Dado o sinal de largada, tinham de descer uma encosta íngreme de pedras de cerca de 120 metros de altura, até um mar revolto, com ondas batendo nos rochedos.
Depois nadar por cerca de 1.000 metros até a ilhota Motu Nui, subir pelas pedras, encontrar um ovo da gaivota, da manutara.
O primeiro que encontrava, voltava até a beira da ilhota, levantava o ovo sobre sua cabeça mostrando-o a todos.
De longe não dava para ver quem havia vencido.
Em rochedos próximos, fiscais da prova gritavam, passando o nome do vencedor até o alto do penhasco, do sitio Orongo.
O vencedor amarrava o ovo na cabeça, nadava de volta, escalava os 120 metros de penhasco e entregava o ovo ao seu líder, que passaria, a partir de então, a liderar o Conselho dos Anciães.

Representação da competição do Homem Pássaro

O vencedor recebia como prêmio um bastão e uma esposa virgem, com quem deveria ter relação sexual logo após a prova. Eles acreditavam que cansado, a possibilidade de ter um filho homem era maior.
Depois raspavam todos seus pelos e cabelos, pintavam sua cabeça e o rosto de preto e vermelho para que todos soubessem quem era Homem Pássaro.

Durante seis meses ele vivia em uma casa, do outro lado da cratera do vulcão Rano Kau, sendo servido por um criado. Só podia receber a comida com a mão esquerda, pois a direita havia carregado o ovo.
Depois deste tempo voltava à vida normal, tendo sempre o reconhecimento nas festas e cerimônias religiosas.

O Sítio Religioso de Orongo fica muito próximo da cidade de Hanga Roa, e ao lado da cratera do vulcão Rano Kau.
Há um pequeno museu na entrada, com quadros e textos contando a história do Homem Pássaro.
No passeio em direção à cratera do vulcão estão ainda intactas algumas das pequenas casas de pedras que abrigavam os competidores.
Há muitas pedras espalhadas com marcas e desenhos alusivos ao Homem Pássaro.

Artezã local – Pedras esculpidas com as figuras do Homem Pássaro


CHEGADA DOS CONQUISTADORES

Em 5 de Abril de 1722, o navegador holandês Jacob Roggeveen chegou à ilha em um Domingo de Páscoa, e batizou-a como Easter Island.

Em 1770, espanhóis provenientes do Peru tomaram posse da Ilha em nome do rei Carlos III da Espanha, fixaram três cruzes no alto de colinas próximas do mar e nunca mais voltaram.

Em 1774, o navegador britânico James Cook esteve na ilha e ficou surpreso com a precariedade dos habitantes. Eram cerca de 700 pessoas, cultivavam banana, cana de açúcar, batata-doce, além da pesca, para sobreviver.

Em 1786, foi a vez do navegador francês Jean de Balaup La Perouse visitar a ilha e de volta à França fez um relato do que havia encontrado. Esta narrativa motivou missionários franceses à catequese.

Em 1864 chegou o primeiro missionário francês Eugene Eydar para introduzir a religião cristã.

Em 1866, o missionário Eydar e o último filho real primogênito Manu Rangi de 13 anos, ambos, morreram em uma epidemia de tuberculose, que matou quase metade da população de rapanuis.
Após a epidemia, toda a população estava convertida ao cristianismo. Sobraram 930 rapanuis vivos.
Foi quando os missionários convenceram os rapanuis a acabar com a competição do Homem Pássaro.

Os missionários franceses tiveram uma importância muito grande na unificação e na ordem social interna das famílias e clãs.

Em 1871, o aventureiro francês Dutru-Bornier comprou muitas propriedades, tornou-se praticamente o dono da ilha, iniciando uma fazenda de ovelhas.
Casou-se com Koreto, uma rapanui, nomeou-se Rei e ela Rainha.

Dominaram a ilha por um certo tempo, quando então, foi morto em uma briga pessoal.
Por um problema de herança e documentação, algumas propriedades ficaram com seus herdeiros, mas a grande maioria tornou-se posse de outras famílias rapanuis.

A verdade é que a ilha não tinha e não tem, economicamente falando, nenhum atrativo que fizesse com que outros países desejassem dominá-la.

A primeira aproximação chilena foi de um barco que saiu de Valparaiso, em direção à Austrália, em 1877, comandado pelo Tenente Leôncio Señoret.
Ao aportar na ilha, e encontrando-a praticamente sem qualquer domínio, decidiu tomar posse em nome do Chile.

Em 1888, foi assinado um tratado entre os líderes rapanuis e o governo do Chile.

Em 1960, o Chile alugou a ilha para a Companhia Williamson-Balfour para instalar uma fazenda de criação de ovelhas, que não deu certo.

Em 1966, o Chile retornou o domínio da ilha e todos rapanuis receberam a cidadania chilena.
A partir daí a Ilha de Páscoa passou a ser um território do governo chileno.

Em 1985, o Chile assinou um tratado com os EUA/NASA, para construção de uma pista de 3.353 metros, no aeroporto local, para pouso emergencial do Ônibus Espacial Columbia.
Isto nunca foi necessário.
Com a descontinuidade do projeto espacial, a pista, maior de toda a América do Sul, é utilizada para os voos regulares, trazendo os turistas.

O governador da Rapa Nui é nomeado pelo Presidente da República do Chile.
A ilha mantém um Conselho de Anciães que referenda as decisões mais importantes e que envolvam a cultura e os costumes dos rapanuis.

 

Grupos de Moais – A Ilha de Páscoa com o vulcão Rano Kau em destaque


VIAGEM E TURISMO NA ILHA DE PÁSCOA

No período de alta temporada, Verão, há dois voos diários da LATAM, pela manhã, saindo de Santiago, e dois voos de volta na parte da tarde.
Na baixa temporada, há somente um voo de ida e volta.
Normalmente é um Boeing 787, e leva cerca de 4 horas e 45 minutos.

A ilha tem várias opções de hotéis e pousadas.
Os hotéis mais importantes procurados pelos turistas são Taha Tai, Hotu Matua, Altiplanico, Kaimani, Iorana e Hangaroa.
Há também uma boa opção de restaurantes e os principais pratos são peixes, carne e frango.
A maioria dos produtos vem do continente. Não se produz praticamente nada na ilha.
Há pouca variedade de peixes por ser uma região de mar profundo.
Inclusive por ser muito limpo, não há camarões e lagostas.

Nos hotéis há uma boa disponibilidade de produtos de alimentação e bebidas.

Nós nos hospedads no hotel Taha Tai, com opções de bangalôs ou quartos internos, com vista para a piscina.
Fica praticamente à beira-mar, mas só se vê o mar, do restaurante.
É muito próximo da rua principal de comércio de Hanga Roa, onde estão as lojas e também da rua da beira-mar, onde há uma boa variedade de restaurantes.
É bem simples, confortável e tem um ótimo atendimento.

Outros turistas com quem conversamos falaram também muito bem de seus hotéis.
O ideal é escolher dependendo de seu gosto e bolso.
É por isto que sempre recomendo consultar o Trip Advisor.

Hotel Taha Tai – Guia dos tours – Aviso de Tsunami

OS TOURS E PASSEIOS

As maiores atrações da ilha são os moais e os vulcões. Os moais estão espalhados em vários pontos da ilha.

As agências oferecem basicamente dois tours.
O Primeiro visitando um grupo imponente de 15 moais à beira-mar, a fábrica dos moais na encosta do vulcão, o local do Ahu Te Pitu Kura – Umbigo do Mundo, terminando o tour na praia de Anakena, com a possiblidade de um banho de mar.
Este é um passeio de dia inteiro.

Te Pito Kura / Umbigo do Mundo – Praia de Anakena

No segundo tour as atrações são o vulcão Rano Kau, o maior de todos, que foi responsável pela formação da ilha e Orongo, lugar religioso e da competição do Homem Pássaro.
Este é passeio de meio dia.

Na beira-mar, na cidade, ao lado do cemitério estão os moais Ahu Tahai.
No fim da tarde, muitos turistas se reúnem ali para ver o pôr do sol.

Vulcão Rano Kau – Sitio de Orongo – Ahu Tahai em Hanga Roa

Há um passeio pelo mar, com um barco ou com um bote, margeando o paredão e a encosta do sítio religioso de Orongo, com uma volta no entorno da Ilha do Homem Pássaro.
Neste passeio, há a possibilidade de fazer snorkeling.

Este foi um dos passeios que fizemos. Optamos por contratar um instrutor com um pequeno bote.
O local escolhido foi um paredão com uma grande caverna, na ilha do Homem Pássaro.
O mar estava azul anil, transparente, temperatura d’água 27 graus, e 35 metros de profundidade.
O mar estava balançando bastante, mas consegui fazer o snorkeling com segurança.
Não havia muitos peixes, mas o fundo do mar é muito lindo.

Mar no entorno da ilha do Homem Pássaro - Snorkeling

Outro passeio que fizemos foi de Astronomia.
Primeiro há um apresentação em PowerPoint contando a história de navegação dos rapanuis, como conheciam e se orientavam pela astronomia.

Depois entramos em um ônibus que nos levou a um lugar muito escuro, sem qualquer luz, na beira-mar.
Ao descermos do ônibus, uma visão espetacular. A Via Láctea e milhares de estrelas brilhavam, acima de nós.
É indescritível o que se vê. É tanta estrela que não há um espaço em que não haja um pequeno ponto de luz.

Com telescópios, pudemos ver planetas e nebulosas. Disponibilizaram binóculos para que individualmente prospectássemos estrelas e constelações.

Dali, fomos para a praia de Anakena, para uma sessão de fotos, tendo ao fundo os moais e a Via Láctea.
As fotos são remetidas no dia seguinte para o e-mail de cada um.

Incluindo a apresentação inicial, é um passeio de cerca de 4 horas, das 21h00 à 1h00
Se um dia eu voltar, vou fazer novamente, é lindo.

 

Foto na praia de Anakena


TURISMO CULTURAL

A viagem à Rapa Nui deve ser considerada como um turismo estritamente cultural.
A grande maioria dos visitantes é de meia-idade para cima, vindos da Europa, EUA e Brasil, interessados nas histórias dos moais e dos rapanuis.

Apesar de ser uma ilha não há atrações de praia. Está localizada no paralelo 28 que equivale a Florianópolis, Santa Catarina.
É toda rodeada de pedras vulcânicas, e há somente uma pequena praia, Anakena, de águas claras, com alguns coqueiros e restaurantes. Fica a cerca de 20 quilômetros da cidade.

Na beira-mar, em Hanga Roa, há três piscinas naturais, cercadas de pedras, onde moradores da cidade e turistas vão para se refrescar.
No fim da tarde depois dos passeios é um ótima opção.

Os maiores hotéis possuem piscinas para seus hóspedes.

Moais – Rano Kau – Piscinas no mar


PROGRAMAÇÃO DA VIAGEM

Como os voos para Rapa Nui saem de Santiago e levam cerca 4 horas e 45 minutos, incluímos este passeio em nossa mais recente viagem ao Chile.

Saímos de São Paulo em um voo da LATAM, no fim da tarde. Dormimos em um hotel no Aeroporto de Santiago e no dia seguinte, pela manhã, pegamos o voo para Rapa Nui.
Ficamos três dias inteiros na ilha, e retornamos a Santiago para uma programação de visitas a vinícolas na região do Vale do Rio Maipo.
No total foram 10 dias, incluindo os voos.

Para os turistas que pretendem visitar vinícolas na região de Santiago, com um pouco mais de tempo, por exemplo, nos feriados do Carnaval, minha sugestão é aproveitar e visitar outras regiões interessantes do Chile e que demandam poucos dias.

O Deserto do Atacama, a Patagônia Chilena, Punta Arenas, Puerto Natalis, Torres del Payne, Puerto Mott, a região dos lagos, e Rapa Nui, são lugares que tomam no máximo de 4 a 5 dias, incluindo os voos.
Se você tem 10 dias para curtir o Chile, dá tranquilamente para dedicar 4 ou 5 para visitar vinícolas e a cidade de Santiago, e outros 4 ou 5 dias para estas outras atrações.

Confira as descrições da viagem à Patagonia Chilena em meu blog.

Estou a sua disposição para sugerir e recomendar seus roteiros.
Estou à disposição para dicas e perguntas.
 


Deixe aqui o Seu Comentário

Seja o primeiro a Comentar!
OK
Informe o seu nome.
OK
Informe o seu e-mail.
OK
Informe o seu site.
OK
Informe o seu comentário.
Conteúdo Relacionado